26/09/2016

Lançamento Elsinore | BRUCE SPRINGSTEEN - Autobiografia chega às livrarias amanhã

Para quem procura lições de vida neste género de livros talvez encontre aqui uma bastante útil: para onde correr quando tudo nos diz para ficarmos parados.
Bruno Vieira Amaral, crítico literário, tradutor e autor, em Observador 

«O livro é como um dos concertos de Bruce Springsteen — longo, arrebatador, fatigante, repleto de picos e vales. A sua voz, na escrita, assemelha-se à sua voz na música. Born to Run é, como as suas melhores canções, detalhado de fio a pavio. A sua história é íntima e pessoal, mas revela o interesse de Springsteen por outras pessoas e um dom para as conhecer.» 
The New York Times

Foram poucas as vezes em que um artista contou a sua própria história com tanta força e coragem, equilibrando o lirismo de um músico singular e a sabedoria de um homem que reflectiu profundamente acerca das suas experiências de vida. Durante os últimos sete anos, desde uma actuação marcante no Super Bowl com a E Street Band, Bruce Springsteen tem-se dedicado a escrever a história da sua vida, recordando vividamente, com a honestidade, humor e originalidade que se encontram nas suas canções, a sua busca incessante em tornar-se músico.



Assim nasceu Born To Run, a autobiografia que chega às livrarias amanhã, dia 27, editada pela ELSINORE, chancela do Grupo 20l20 (576 páginas + 16 extra texto com fotografias inéditas l Tradução: Maria do Carmo Figueira e João Reis). 

Com uma sinceridade desarmante, Bruce Springsteen conta, pela primeira vez, a história das batalhas pessoais que inspiraram os seus melhores trabalhos. Em Born to Run, ele descreve o seu crescimento e a educação católica em Freehold, Nova Jérsia, rodeado de poesia, perigo e escuridão, que alimentavam a sua criatividade, num crescendo até ao momento fulcral do início da sua carreira, a que ele se refere como o seu «Big Bang»: ver a estreia de Elvis Presley na televisão norte-americana, no Ed Sullivan Show.
Recorda vivamente a sua motivação inabalável para se tornar músico, os primeiros tempos enquanto rei das bandas de bar em Asbury Park, e a formação da E Street Band. Com uma candura desarmante, conta, pela primeira vez, a história das batalhas pessoais que inspiraram os seus melhores trabalhos, e mostra-nos por que motivo a canção «Born to Run» revela mais do que as ideias que percebemos quando a ouvimos.

Born to Run será inspirador para todos quanto gostam de Bruce Springsteen; no entanto, esta obra é muito mais do que as memórias de uma lendária estrela do rock. Este é um livro para os trabalhadores e os sonhadores, para os pais e os filhos, para os amantes e os solitários, para artistas, freaks ou para quem sempre quis ser baptizado no rio sagrado do rock and roll. Como muitas das suas canções («Thunder Road», «Badlands», «Darkness on the Edge of Town», «The River», «Born in the USA», «The Rising» e «The Ghost of Tom Joad», para nomear apenas algumas), este livro entrará instantaneamente para a lista dos clássicos intemporais.

PREFÁCIO de BRUCE SPRINGSTEEN
Nasci numa cidade a beira‑mar onde quase tudo é contaminado por uma certa dissimulação. Incluindo eu. Aos 20 anos, sem qualquer espírito de rebeldia materializada em corridas loucas de carros, tocava guitarra nas ruas de Asbury Park e já era um membro de pleno direito do grupo dos que ≪mentem≫ a bem da verdade… artistas, com A pequeno. Mas tinha quatro grandes vantagens: era jovem, tinha quase dez anos de experiência em bandas de bares de má reputação, um bom grupo de músicos meus conterrâneos, habituados ao meu estilo, e uma história para contar.
Este livro é, ao mesmo tempo, uma continuação dessa historia e uma tentativa de descoberta das suas origens. Assumi como parâmetros os acontecimentos da minha vida que acredito terem dado forma a essa história e a minha vida como músico. Uma das perguntas que os fãs me fazem vezes sem conta é: ≪Como é que tocas assim?≫ Nas páginas que se seguem vou tentar explicar como e, mais importante ainda, porquê.

Kit de sobrevivência Rock ’n’ Roll

ADN, habilidade natural, estudo das técnicas, desenvolvimento e devoção a uma filosofia estética, puro desejo de… fama? Amor? Admiração? Atenção? Mulheres? Sexo? Ah, claro, e umas coroas. E depois, caso queiram continuar noite fora, um fogo voraz cá dentro que nunca se apaga, eterno.
Estes são alguns dos elementos que poderão dar jeito quando se esta frente a frente com 80 mil (ou 80) fãs de rock ’n’ roll que estão à espera de que façamos o nosso truque de magia. À espera de que tiremos qualquer coisa de dentro do chapéu, que façamos algo a partir do nada, que lhes ofereçamos algo nunca antes visto, qualquer coisa que, antes de toda a congregação se ter reunido, era apenas um rumor alimentado por uma canção. Estou aqui para apresentar a minha prova de vida perante o «nós», esse conceito fugidio e nem sempre credível. É este o meu truque de magia. E, como todos os bons truques de magia, começa com uma encenação. Assim sendo…

Opinião | A Última Carta de Amor | Jojo Moyes

Algumas palavras podem terminar uma relação ou fazer renascer um amor perdido.
Inglaterra, 1960. Quando Jennifer Stirling, uma mulher de vinte e sete anos, acorda no hospital, após um trágico acidente de automóvel, não tem qualquer lembrança da sua vida passada. Não reconhece o marido, não recorda a sua própria casa e tão-pouco se identifica com a vida que lhe dizem ser a sua. Quando encontra uma carta apaixonada, escrita por um homem que assina apenas «B» e que lhe pede para abandonar o marido, irá a todo o custo tentar descobrir a identidade desse homem, enquanto enfrenta os preconceitos sociais estabelecidos.
Anos volvidos, em 2003, uma outra mulher, Ellie, descobre nos arquivos poeirentos do jornal onde trabalha a mesma carta enigmática. Fica de imediato obcecada pela história, que lhe permitirá escrever um artigo que relance a sua carreira e talvez até a ajude a lidar com a sua própria vida amorosa. Afinal, se aquela história tiver tido um final feliz, quem lhe garantirá que o homem com quem se envolveu não acabe também por deixar a mulher?
Uma história de amor apaixonante e arrebatadora, com um final absolutamente inesperado.
GoodReads
Jojo Moyes sempre nos habituou a histórias românticas cheias de emoções e reviravoltas. Este livro não foi exceção. Pois foram diversas as vezes que me vi com as lágrimas no canto do olho. Sem esquecer que ainda existem aqueles momentos em que me apetecia gritar “Aaaahhh!” quando tudo parecia remar contra a maré.
Estamos em Inglaterra nos anos 60, uma época em que o divórcio era um assunto tabu e as mulheres tinham de seguir uma certa etiqueta. Jennifer Stirling está no hospital depois de ter tido um terrível acidente de viação. Devido a um traumatismo craniano, Jenny sofre de amnésia e, aquando do regresso a casa, tem algumas dificuldades em saber a disposição das divisões e o local das coisas. Mas apesar de todas essas dificuldades, Jennifer não se deixa abater. Sempre que pode, explora todos os recantos daquele ambiente agora desconhecido.
Certa altura, Jenny descobre uma carta de amor escondida no guarda-roupa, onde o seu marido nunca se lembraria de ir. Apesar de assoberbada, Jennifer lutou contra muitas desaprovações para encontrar quem seria “B”, o remetente desta e de outras cartas que Jenny viria a encontrar.
Apesar de a mentalidade da sociedade nos anos 60 não aceitar de todo estas situações, Jenny sempre lutou para ser feliz, apesar de a vida lhe ter pregado imensas rasteiras. Contudo, não se deixou abater.
Em paralelo, Jojo conta-nos uma história mais actual. Viajamos até 2003, onde Ellie, uma jornalista de 32 anos, se vê envolvida com um homem casado. Apesar de este nunca lhe ter dado muitas demonstrações de que realmente sentia algo por ela, Ellie parece não querer desistir desta relação fugaz e escondida de todos. Para além disso, aquando de uma visita ao arquivo do jornal, Ellie encontra uma das antigas cartas de Jenny e parte em buscar daquele que seria, a seu ver, o casal perfeito que se ama incondicionalmente.
Mais lá para o final da história, ambas as histórias acabam por se interligar de uma forma que não estava à espera. Mas a verdade é que lhe deu um outro sentido e significado completamente diferentes. E para além disso, Ellie acabou com perceber que aquela história poderia inspirá-la.
Ao longo da história, Jojo vai saltando entre as diversas épocas, às vezes sem qualquer indicação disso. E no início, foi algo complicado acompanhar tudo o que se estava a passar. Mas com o avançar da leitura, vai-se tornando bem mais fácil.
Algumas personagens viriam a testar a minha paciência, mas qual é o livro em que isso não acontece? As personagens não transparecem pessoas perfeitas, mas sim humanos que erram como todos os outros e que tentar remediar aquilo que fizeram de menos bem.
Tratando-se de um romance, tipicamente as coisas têm tendência a não correm bem à primeira. Mas com o tempo, lá se vão ajeitando.
Achei ainda bastante interessante que cada capítulo se inicie com a última correspondência (seja carta, email ou SMS) entre casais. Algumas delas até verídicas.
Este é um romance típico da Jojo. Um livro com uma história envolvente que traz ao de cima tanto lágrimas como gargalhadas. Mas que ao mesmo tempo, nos dá uma lição de vida bastante importante.

Passatempo Aniversário | A Aventura Culinária | Chiado Editora | #2

O Sinfonia dos Livros em parceria com a Chiado Editora, tem o prazer de vos trazer a oportunidade de ganharem este livro delicioso "A Aventura Culinária" de Eva Gonçalves.

Para se poderem habilitar a receber este livro só têm de fazer o seguinte: 
 1) Ser seguidor do blog Sinfonia dos Livros 
2) Clicar "Gosto" na página do Facebook do Sinfonia dos Livros e da Chiado Editora 
3) Partilhar o passatempo no vosso Facebook e/ou blog e deixar o link de partilha no formulário. 
4) Preencher correctamente o Formulário abaixo. 
5) O passatempo decorre a partir de hoje até às 00h00 (horas continentais) do dia 04 de Outubro de 2016. 
6) O vencedor será sorteado aleatoriamente, de entre aqueles que cumprirem com o estipulado, sendo o anúncio feito na página do facebook do Sinfonia dos Livros, para o email do/a vencedor/a e também no blog. 
7) Cada pessoa só pode concorrer em seu nome uma (1) vez por dia. 
8) Por motivos logísticos só serão aceites participações de residentes em Portugal e ilhas dos Arquipélagos dos Açores e da Madeira. 
9) O Sinfonia dos Livros não se responsabiliza por extravios.

24/09/2016

Passatempo Aniversário | Peónia Vermelha | André de Oliveira | #1

O Sinfonia dos Livros em parceria com o autor André de Oliveira, tem o prazer de vos trazer a oportunidade de ganharem o seu novo livro "Peónia Vermelha" neste dia em que o blogue completa os seus quatro anos de existência.
Para se poderem habilitar a receber este livro só têm de fazer o seguinte:

1) Ser seguidor do blog Sinfonia dos Livros
2) Clicar "Gosto" na página do Facebook do Sinfonia dos Livros e do autor André de Oliveira.
3) Partilhar o passatempo no vosso Facebook e/ou blog e deixar o link de partilha no formulário.
4) Preencher correctamente o Formulário abaixo.
5) O passatempo decorre a partir de hoje até às 00h00 (horas continentais) do dia 02 de Outubro de 2016.
6) O vencedor será sorteado aleatoriamente, de entre aqueles que cumprirem com o estipulado, sendo o anúncio feito na página do facebook do Sinfonia dos Livros, para o email do/a vencedor/a e também no blog.
7) Cada pessoa só pode concorrer em seu nome uma (1) vez por dia.
8) Por motivos logísticos só serão aceites participações de residentes em Portugal e ilhas dos Arquipélagos dos Açores e da Madeira.
9) O Sinfonia dos Livros não se responsabiliza por extravios.

Quarto Aniversário do blogue | Obrigada a Todos

Boa tarde a todos,
hoje o meu/nosso Sinfonia dos Livros completa os seus quatro anos de existência. Quero agradecer a todos os seguidores por fazerem deste blogue um espaço onde consigo partilhar a minha paixão pela leitura.
Com as vossas opiniões, conselhos e visitas, espero conseguir manter o Sinfonia à vossa altura e sempre atractivo tanto a nível de qualidade, opiniões, divulgações e rubricas diversas, criadas especialmente para vos fazer ter vontade de cá vir todos os dias.
Nestes quatro anos gostaria de agradecer o apoio incondicional da Editorial Presença e Marcador sem a qual não seria possível os passatempos *deliciosos* que temos tido aqui no Sinfonia. 

Gostaria também de agradecer a algumas chancelas do Grupo Leya como por exemplo a Casa das LetrasQuinta Essência e Asa, que também me têm apoiado sempre que lhe solicito ajuda. Agradecer também à Editora 20|20 que através da TopSeller, Vogais, Nascente e Booksmile, têm feito tudo para ajudar o Sinfonia a ser algo mais. À Porto Editora que me tem disponibilizado livros para leitura e opinião sempre que assim lhes peço. Agradecer também à Esfera dos Livros, Chiado Editora, Bizâncio, Saída de Emergência, Individual e à Paula Nascimento da Planeta que tudo faz para me ajudar. A todos muito obrigada!

Agradecer também às minhas três meninas que me ajudam sempre que podem e lhes é possível, Verónica Silva do So Many Things I Like, Raquel Leite do RaquelCollin e Cristina Rodrigues do Eternas Aventuras, muito obrigada por me apoiarem incondicionalmente (acho eu) :D

Acima de tudo agradecer a todos os seguidores do Sinfonia (blogue e página do Facebook) que fazem destes espaços "cantinhos" mais acolhedores e mais funcionais pois é com os vossos comentários que consigo modificar o que está menos bem e ir de encontro ao que cada um de vocês procura!