Escangalhar a cena 1x por semana

Não percam a nova rubrica semanal, na qual vou partir a loiça toda!

Agora na minha estante

Vejam as minhas mais recentes aquisições!

Autores Nacionais

Uma rubrica na qual divulgo autores portugueses, os seus trabalhos, apresentações e outras curiosidades. Ora espreitem no menu Literatura!

Cantinho Ternurento

Vejam a minha loja de artesanato em destaque. Marcadores e capas de livros, quadros e bordados, pregadeiras e muito mais. Façam a vossa encomenda!

Filmes, Séries e Música

Uma rubrica na qual irei partilhar os filmes, séries e músicas que gosto. Ora espreitem no menu.

28/08/2014

"A Primeira Regra dos Feiticeiros" - Lançamento Porto Editora

Disponível a partir do dia 5 de Setembro!


Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 432
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-04684-0


Richard Cypher é um jovem guia em Hartland, à procura de respostas para o assassinato brutal do pai. Na floresta onde se refugia, encontra uma mulher misteriosa, Kahlan Amnell, que precisa da sua ajuda para fugir aos sequazes do temível Darken Rahl, governante de D’Hara, praticante da mais temível magia negra e um homem ávido por vingança.

Num golpe de verdadeira magia, Richard passa a deter nas suas mãos o destino de três nações e, sobretudo, da própria humanidade. O seu mundo, as suas crenças e a sua própria essência serão abalados e testados, à medida que Richard lida com amigos e inimigos, com a crueldade extrema e a compaixão dedicada, experimentando a paixão, o amor e a raiva, e o seu impacto na missão que lhe é imposta: ser aquele que procura a verdade.

Primeiras Páginas Disponíveis Aqui


Opinião "Pecadora" de Madeline Hunter

Habituada a uma existência pacata, Celia Pennifold vê a sua vida virada do avesso após a morte da mãe, Alessandra Northrope, uma cortesã afamada. Para além de uma pequena casa, a mãe deixou-lhe de herança apenas dívidas e uma reputação manchada. O destino de Celia já está traçado há muito. Ela foi educada para seguir as pisadas da mãe. Mas Celia é determinada e tem os seus próprios planos… que não incluem, evidentemente, o misterioso inquilino com que se depara ao instalar-se no seu novo lar. Jonathan Albrighton encontra-se numa missão a mando do tio, pois há suspeitas de que Alessandra possuía informações delicadas sobre alguns dos homens mais influentes da sociedade londrina. Jonathan pensava estar perante uma tarefa simples, não contava encontrar em Celia uma adversária à sua altura…


*Pode Conter Spoilers*

*4.5*

Quero começar por agradecer à ASA e à Leya por me ter disponibilizado este livro para leitura. 

Agora, avançando para a minha opinião tenho mesmo que dar o braço a torcer e dizer que este livro é *delicioso*! Sim, leram bem.. Quem leu as minhas opiniões ao primeiro e segundo volumes, Deslumbrante e Provocadora respectivamente, reparou que pelo menos o primeiro capítulo desta série "As Flores Mais Raras" não me tinha convencido de maneira nenhuma e reparou também que gostei mais do segundo mas não a ponto de dar-lhe quatro estrelas. 
No entanto, este terceiro capítulo da série conquistou-me de várias maneiras. Para já, de salientar o "crescimento" da autora em relação a esta série. Passou de uma escrita monótona e pesada para uma escrita muito mais leve e desenvolta, quer nas descrições de acontecimentos e espaços, quer nos diálogos que nos anteriores volumes eram pesados demais. Para já não falar das cenas eróticas que neste livro são muito mais credíveis e hot sem cair na obscenidade e pornografia.
Tive muito mais prazer em ler esta história do que tive ao ler as outras. Muito mais mesmo... tanto que o li em menos de um dia (comecei num dia à noite e terminei-o na tarde do dia seguinte), o mesmo não se passou com os anteriores.
Personagens: Hilariantes! Adoro a Célia, mas ainda mais o Jonathan. Estas duas personagens conquistaram-me, sem dúvida. Célia Pennifold é uma (ou era) das habitantes da casa de Daphne, ou seja, é uma das "Flores Mais Raras". Já lá vivia há cinco anos, uma vez que a mãe era uma afamada cortesã da época e queria que a filha lhe seguisse as pisadas. No entanto, o destino que Célia queria para si era muito, mas muito diferente do que a mãe tinha traçado para ela. Depois da morte da mãe, Célia vê-se a braços com as dívidas que a mãe deixou e quase terá de enveredar pelo caminho que a mãe queria, de modo a saldar as dívidas avultadas. Não fosse a intervenção atempada de Jonathan Albrighton e Célia teria tido um destino muito mais sacrificado. E quem é Jonathan Albrighton? Já havíamos tido um vislumbre dele no "Provocadora" e deixou-me com a "pulga atrás da orelha". Tal como Célia, é um filho bastardo de um nobre que ao contrário do pai desconhecido de Célia garantiu-lhe uma educação sem mácula. Jonathan é também amigo dos já nossos conhecidos Sebastian e  Hawkeswell, personagens do primeiro e do segundo volumes. De referir que também eles terão a sua quota parte de intervenção nesta história. Uma personagem que me deixou (já o havia feito nos anteriores) muito, mas muito curiosa foi o duque de Castlefort! Espero que no quarto volume da série esta personagem e a de Daphne sejam bem exploradas, visto que Daphne é o espelho da calmaria e bom senso enquanto que Castlefort é um nobre que só pensa em bebida e mulheres. No entanto, é uma personagem chave para a resolução de todos os mistérios que existem em todos os volumes da série.
Voltando a Jonathan e Celia. Eles perfazem um casal amoroso, consciente da atracção entre eles desde o início, não sendo demasiadamente formais um com o outro, gostei da relação deles desde o início. Uma relação cheia de ternura, entendimento (não obstante as picardias saudáveis entre os dois) e muita sensualidade. Achei as personagens muito mais descontraídas e mesmo os diálogos não tão formais como nos outros. Jonathan é um homem atarente, inteligente, que teve um amadurecimento precoce tornando-o algo sombrio e envelhecido. Contudo, não deixa de ser um homem que desde que Célia o conhece (Jonathan era amigo da mãe de Célia e por isso ela conhecia-o ainda antes de fugir da casa da mãe com apenas dezassete anos) a deixa com pele de galinha e o coração a bater mais forte. Já Célia é daquelas mulheres que é impossível não querer ser-se igual ou pelo menos parecida. Tem um amor imenso às flores e plantas que passaram a fazer parte da sua vida desde que se juntou a Daphne e pretende que essa parte da sua vida seja também o seu destino. Adoro flores e uma das coisas que desde o início da série me fez continuar a lê-la foi exactamente pelo destaque que as flores têm. Acho que, como já disse, a autora cresceu muito e de uma forma gradual, e ainda bem que assim foi. Com este terceiro livro da série, Madeline Hunter volta a fazer justiça à fama que tem como autora de época.

Recomendo!!

27/08/2014

Novidade: "Duas Irmãs, Um Duque" de Eloisa James (Quinta Essência)


Duas Irmãs, um Duque
Eloisa James
Ficção Estrangeira


Ele é um duque em busca da noiva perfeita. 
Ela é uma senhora… mas está longe de ser perfeita. 
Tarquin, o poderoso duque de Sconce, sabe perfeitamente que a decorosa e elegantemente esguia Georgiana Lytton dará uma duquesa adequada. Então, porque não consegue parar de pensar na sua irmã gémea, a curvilínea, obstinada e nada convencional Olivia? Não só Olivia está prometida em casamento a outro homem, como o flirt impróprio, embora inebriante, entre ambos torna a inadequação dela ainda mais clara. 
Decidido a encontrar a noiva perfeita, ele afasta metodicamente Olivia dos seus pensamentos, permitindo que a lógica e o dever triunfem sobre a paixão... Até que, na sua hora mais sombria, Quin começa a questionar-se se a perfeição tem alguma coisa a ver com amor. Para ganhar a mão de Olivia ele teria de desistir de todas as suas crenças e entregar o coração, corpo e alma... 
A menos que já seja demasiado tarde.

Imprensa
«Mordaz, cheio de trocadilhos e divertido, este romance de Eloisa James tem como alvo a rigidez social, explora o significado da perfeição (e do heroísmo), e apanha os leitores desprevenidos com várias reviravoltas inesperadas. Uma brilhante nova versão de outro conto clássico; os leitores nunca mais vão olhar para ervilhas, colchões ou até para os heróis da mesma forma.»
Library Journal

«…a história é divertida e os personagens deliciosos.»
The San Francisco Book Review

«Heroínas independentes e pouco convencionais, heróis inteligentes e diálogos divertidos fundem-se na perfeição com temas modernos, cativando os leitores.» Romantic Times BOOKClub

Autora
Autora de vários romances premiados, Eloisa James é professora de Literatura Inglesa e vive com a família em Nova Jérsia. Deve ter escrito todos os seus livros enquanto dormia, porque ocupa os dias a tomar conta de dois filhos especialistas em lamúrias, de um porquinho-da-índia muito exigente, de uma rã malcheirosa e de uma casa em ruínas. E numa ironia deliciosa para uma escritora de romances, é casada com um genuíno cavaleiro italiano. 
Visite: www.eloisajames.com.

Para mais informações:
http://www.quintaessencia.com.pt/pt/romance/contemporaneo/duas-irmas-um-duque/



Alguns dos títulos anteriores

26/08/2014

Opinião "Entrega-te ao Amor" de J.C. Reed



Brooke Stewart é uma jovem em início de carreira no sector imobiliário que não está disposta a ceder a tentações. 
Jett Mayfield é um homem deslumbrante, habituado a obter o que quer, e por acaso também é o novo patrão de Brooke.
Quando ambos se conhecem, a atracção que sentem é impossível de ignorar. Jett está fascinado por Brooke e pelo modo como parece determinada a rejeitá-lo. Por isso, faz-lhe uma proposta que os levará para terreno desconhecido, simultaneamente perigoso e excitante. Mas poderá uma mentira arruinar toda a química entre eles?





*Pode Conter Spoilers*


Nunca é demais agradecer o apoio da Editorial Presença, e como tal, acho que mais uma vez tenho de o fazer porque de facto tem sido uma Editora que muito tem ajudado o Sinfonia dos Livros. O meu muito obrigada por me terem disponibilizado mais um novo livro. 
Agradecimentos feitos, passemos à minha opinião sobre este novo livro, o primeiro da Trilogia "Surrender Your Love" que dá o título a este "pontapé de saída". Primeira impressão: Gostei. Muito. 

Então porquê apenas três estrelinhas?
Passo a explicar: A questão é que algumas expressões não devem ser "massacradas". Neste livro essa expressão foi "Sorriso de baixar as cuequinhas". É que perdi a conta das vezes que a Brooke usou esta expressão. O que eu penso? Usar uma vez ou duas é divertido e tem muita piada, usar mais de vinte vezes torna-se repetitivo e um pouco irritante. Se não fosse por isso, provavelmente teria dado as quatro estrelas. A história é muito boa. As personagens bem criadas e o enredo muito bem elaborado. Admito que apesar de ser um livro pequeno, levei algum tempo a ser "puxada" pela história, mas assim que o fui só descansei quando o acabei.

Personagens: Brooke é uma jovem que trabalha no sector imobiliário. Um ramo difícil mas onde ela consegue ser muito boa no que faz. Para além disso, é uma mulher com personalidade forte, com traumas suficientes para não confiar em ninguém, muito menos nos homens. Jett é um dos homens mais lindos (óbvio) e sexy's (com o tal sorriso de baixar cuequinhas) que tem uma empresa muito famosa de Venda e Compra de imóveis e que, do nada, resolve contratar os serviços de Brooke. Não será preciso referir que para além de ser escandalosamente atraente, Jett Mayfield também é conhecido como sendo um homem duro, arrogante e que não olha a meios para atingir os seus objectivos. Tenho de reconhecer que logo de início não gostei muito dele. É que homens com os egos do tamanho de balões de ar quente não fazem propriamente o meu estilo. E Jett tem esse ego enorme. No entanto e a partir da altura em que ele começa a agir de maneira diferente com Brooke e lhe declara que quer mais do que sexo, conquistou a minha simpatia. Se no início não gostava dele e simpatizava com Brooke, no passar das páginas a situação foi-se revertendo. História: À medida que Jett se ia transformando de um homem insensível e egocêntrico para um homem apaixonado e ternurento, Brooke foi-se tornando numa mulher vulnerável e demasiadamente "maleável", facto que no fim deste primeiro capítulo valeu-lhe um belo desgosto e um coração quebrado. Na minha humilde opinião, acho que no final ela foi muito pouco inteligente e flexível. A meu ver o que quer que Jett estivesse a pensar quando a conheceu (com segundas intenções) foi realmente mudando à maneira que ele a ia conhecendo e ela não ter dado uma hipótese de ele se explicar como deve ser, foi um pouco "mau feitio" da parte dela. Falo, obviamente, como leitora ou como personalidade exterior, porque se fosse comigo também não sei o que faria ao certo. No entanto, todas as acções de todas as personagens foram sendo cuidadosamente criadas de modo a que no segundo volume as coisas "aqueçam" e tomem outros rumos. Certamente, por esta altura, já perceberam que o final deste primeiro livro não é dos mais felizes para as personagens, mas creio que no segundo as coisas possam melhorar. (ou não). 

Gostei imenso da Sylvie, a melhor amiga de Brooke e companheira de casa. É alguém que faz tudo pela amiga, inclusive conspirar com Jett para a poder conhecer melhor. Para além de ser espirituosa e divertida!

Não conhecia nada de J.C. Reed, mas gostei imenso do tipo de escrita dela. Leve e com um toque de humor, muito à semelhança do que acontece na vida real em que temos aquelas expressões interiores tipo: "A sério?!" ou "Isto não pode ser verdade" ou ainda o "Será mesmo?". Já para não falar do sempre utilizado revirar dos olhos .

Espero ansiosamente pelo segundo volume!

Novidades: Nova Chancela da 20I20 Editora



A 20I20 Editora, mantendo a sua política de crescimento, anunciou que o catálogo do Grupo vai aumentar com o nascimento, em 2015, da chancela literária. A 20I20 Editora prevê lançar, sob a nova chancela, 15 títulos em 2015, entre autores nacionais e estrangeiros.

O nome da chancela fica, por enquanto, no segredo dos deuses. Mas revelaram o primeiro nome que figurará no catálogo: Pearl S. Buck, Prémio Nobel da Literatura. Perdido durante 40 anos, A Eterna Demanda (The Eternal Wonder) é um romance inédito de Pearl S. Buck e chegará às livrarias nacionais em fevereiro de 2015.

Trata-se de uma exploração ficcional comovedora e portentosa dos temas que tanto diziam a Pearl S. Buck, A Eterna demanda é, talvez, o seu trabalho mais pessoal e apaixonado, e cativará, sem dúvida, os milhões de leitores que sempre estimaram as suas obras ao longo de gerações.